Fevereiro inicia com clima favorável para aplicações de fungicida e manejo das pragas na soja

Conforme o técnico em agropecuária Adeli Kunz Gottems, associado da Unitec, maioria das lavouras da região encontra-se na fase de floração

 

Com condições satisfatórias ao seu desenvolvimento, a cultura da soja entra no mês de fevereiro também com clima favorável para realizar as aplicações de fungicida e manejo das pragas. A informação é do técnico em agropecuária Adeli Kunz Gottems, associado da Unitec. Ele revela que, na região, as lavouras de soja estão com 38% da área em fase de enchimento de grão, 42% em floração e os demais 20% em desenvolvimento vegetativo.

 

Contudo, ele alerta que este clima também propicia o desenvolvimento da ferrugem. Por isso, o produtor precisa ficar mais atento para ocorrência desta doença e realizar vistorias mais frequentes. "De momento, não constatei nenhum foco de ferrugem que possa comprometer a lavoura. Os produtores foram eficientes em realizar as aplicações fúngicas preventivamente, e, quando tinha, já foi controlada de forma rápida e eficiente, não deixando se alastrar."

 

Gottems explica que houve, nas últimas semanas, temperaturas muito elevadas e baixa precipitação pluviométrica. "Estas condições não estavam favorecendo o desenvolvimento da cultura e ainda não propiciavam condições ideais para aplicação de fungicidas e inseticidas. Mas, neste último fim de semana, tivemos chuvas bem uniformes, diminuindo o estresse e criando condições ideias para o controle, principalmente da ferrugem."

 

Para o técnico em agropecuária, o período que antecedeu as últimas chuvas comprometeu, em pequena escala, a produção, principalmente em áreas compactadas e solos com baixa profundidade.

 

A ferrugem asiática tem prognóstico de alta pressão de infestação nesta safra. Na região Noroeste do Estado, segundo a Emater/RS-Ascar, ao contrário do esperado, a condição de sanidade da cultura é satisfatória, com pouca ocorrência de ferrugem, embora observada a ocorrência de outras doenças na parte baixeira da planta, como crestamento bacteriano e septoriose, doenças características das condições ocorridas de alta umidade e temperatura. Há focos de lagartas e trips em reboleiras.

 

No Estado, conforme a Emater/RS-Ascar, a maior parte da cultura está em estágio de florescimento, e as condições de clima são favoráveis ao desenvolvimento das estruturas reprodutivas.

 

Texto: Assessoria de comunicação Unitec

Jaqueline Peripolli | Jornalista MTE 16.999

Fotos: Adeli Kunz Gottems/Alisson A. Wohlenberg